Últimos Eventos

Luiz Carlos Vilalta
Editora Fino Traço, 2015

Nos últimos anos, vários escritos vieram à luz sobre a história do livro e da censura no mundo luso-brasileiro entre finais do século XVIII e inícios do XIX. Pouco, porém, se conhece ainda a respeito dos mecanismos de funcionamento da censura e das práticas de leitura que possibilitam repensar as sociabilidades culturais e as tensões que se estabelecem entre o poder do livro sobre o leitor e a liberdade deste último na ressignificação dos textos. Por meio de sua curiosidade insaciável, o livro de Luiz Carlos Villalta vem preencher essa lacuna.

José Murilo de Carvalho, Lucia Maria Bastos Pereira Neves e Marcello Basile
Editora UFMG e Humanitas, 2014

Série composta por quatro livros que apresenta a coleção de panfletos escritos à época da Independência do Brasil (1820-1823). Usados até agora de modo parcial e esporádico por historiadores, os panfletos estão aqui disponíveis para todos os interessados. A coleção não se pretende completa, talvez nunca o seja, mas é muito mais do que amostra, aproxima-se da totalidade dos panfletos que sobreviveram e que estão disponíveis nas principais bibliotecas, coleções e arquivos de Portugal, Brasil e Uruguai.

José Murilo de Carvalho e Lucia Maria Bastos Pereira Neves (Org.)
Editora EdUERJ, 2014

Levanta indagações que possibilitem novos estudos sobre a construção do Estado brasileiro no século XIX. Procura configurar teias de relações entre o Estado em construção e as tensões sociais a partir de três fenômenos centrais: nação, cidadania e Estado. Trabalhando novos olhares sobre a escravidão, a cultura letrada e as instituições jurídicas, contribui para maior conhecimento da história oitocentista do país.

Lucia Maria Bastos Pereira Neves
Editora Revan, 2003

No palco de um teatro quase desprovido de plateia, D. Pedro e as elites política e intelectual brasileiras, através dos jornais e da cultura política expressa nos folhetos, encenaram, juntamente com a elite portuguesa, o drama da emancipação do Brasil, cujos motivos, porém, não se encontravam nas ideias abstratas do neoliberalismo ou de uma consciência nacional.

Pranchas produzidas pela Profª Drª Lúcia Maria Paschoal Guimarães como material pedagógico para o ensino fundamental. Foram feitas sob demanda do projeto Cientista do Nosso Estado e utilizadas em atividade realizada em julho de 2012 no Colégio Municipal Dilermano Cruz.. Conteúdo versa sobre imprensa abolicionista e quilombos urbanos existentes na cidade do Rio de Janeiro no século XIX.

Memória

  • Default
  • Title
  • Date
  • Random
load more hold SHIFT key to load all load all
  • Apoio:

  • 1